Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Nanozine n.º 6 - edição especial steampunk

26.07.12

 

Nanozine n.º 6 - edição especial steampunk

Colaboradores: Adeselna Davies, Alexandra Rolo, Álvaro de Sousa Holstein, Anton Stark, Bernardo Dias, Carina de Portugal, Marcelina Leandro, Michael Haulica, Pedro Cipriano, Rui Alex, Rui Serra, Shelley Adina e Vítor Frazão

Editoras: Adeselna Davies, Alexandra Rolo, Leonor Ferrão

 

Uma revista graficamente atractiva com conteúdos fantásticos.

Nota 5/5.


 

Esta revista está disponível aqui

 

A revista tem um grafismo apelativo. Com uma capa espectacular e vários designs elaborados que invocam o espírito do "steampunk" mas com uma abordagem moderna, Adeselna Davies montou um conjunto bem conseguido e uniforme, com cada design a casar muito bem com o conto ou artigo.

 

O Preço: parte II, de Vitor Frazão. Para ler a primeira parte ver aqui.

Sendo uma segunda parte já contava que não teria um tema "steampunk". Gostei de ler o conto, tem personagens curiosas. Achei que a segunda parte seguiu um rumo diferente em relação à primeira, talvez eu tinha ficado com expectativas sobre o monstro introduzido. Apesar disso gostei da ideia usada, houve um maior protagonismo de duas personagens e uma carga psicológica foi explorada. Uma impressão pessoal que ficou é que há um excesso de vírgulas e que a expressão "Contudo" seguida de uma vírgula foi um abuso.

 

Uma Corda Quebrada, de Anton Stark.

Adorei ler este conto, foi a melhor leitura da revista. As imagens sugeridas foram muito vividas, senti percorrer as ruas e navegar em barcos. Um desenrolar da história muito interessante que me prendeu. Só achei pena que não tivesse algo de "steampunk" ou "clockworkpunk", pelo que percebi.

 

A Alergia, de Pedro Cipriano.

Um engenhoso conto da vida de um homem desesperado, gostei muito da personagem. O mundo está bem descrito mas senti que ficou sobrecarregado, são várias referências temporais e tecnológias mencionadas.

 

Do carvão para a metralha, de Marcelina Leandro.

Foi uma excelente leitura. As personagens estão muito credíveis e humanas. Penso ser um conto que combinou muito bem factos históricos de Portugal nos finais do séc. XIX com tecnologia "steampunk". Tecnologia que a autora sugere que daria um rumo diferente ao destino de Portugal.

De início confesso que o final não foi-me claro, então lembrei-me de fazer uma pesquisa pela personagem referida e encontrei a sua biografia, explicaria muita coisa, e passo a concluir que é um conto com muita maturação e pesquisa.

 

Um Assobio ao Longe, de Álvaro de Sousa Holstein

Um poema que é nada menos que um hino à tecnologia "steampunk".

 

Semeador de Chumbo, de Rui Serra

Uma história fantástica e imagética condensada em poema.

 

Hangar do Coração, de Carina Portugal

Poema maravilhoso, tem mesmo algo de especial. É o que mais gostei.

 

Entrevista a Anton Stark

Uma interessante leitura daquela que deve ser, se não me engano, a primeira entrevista a um promissor futuro autor de "steampunk", aconselhável!

 

Entrevista a Clockwork Portugal

Uma valiosa oportunidade de (voltar a) conhecer a equipa mentora da 1ª convenção "steampunk" em Porto, integrada no evento europeu EuroSteam Con. Os preparativos, as divulgações, os diários, as opiniões, a equipa conta tudo.

 

Um Adeus Longínquo, de Rui Alex

Reservo a minha opinião :P

 

Cupcake Bunny, de Bernardo Dias

Uma ilustração com cores bastante garridas, à revelia do estabelecido no "steampunk", que abrange tons terrosos e metálicos. Sujos.

Deverá contar uma história e reconheço os elementos "steampunk", óculos, rodas dentadas e cartola, e os elementos "electropunk", a bata e as luvas de borracha, mas e o Cupcake?? No mínimo uma ilustração intrigante.

 

Roménia Punk, de Michael Haulica (tradução de Adeselna Davies)

Uma informativa retrospectiva do "cyberpunk" e depois do "steampunk" na literatura romena. Tudo começou com uns contos ;)

 

Abney Park

Um interessante artigo da Alexandra Rolo sobre um dos fenómenos do "steampunk". Uma banda de música que prova que "steampunk" é mais que um género literário.

 

O presente e o futuro do "punk"

Uma análise de Adeselna Davies sobre as potencialidades do "punk" em Portugal. Revejo-me em algumas considerações e acredito que haverá um nicho português para o "punk".

 

Porque é que escrevo Steampunk?, de Shelley Adina (tradução de Adeselna Davies)

Uma auto-avaliação, digamos, de autora de "steampunk". Até que achei curto.

 

Por fim as análises de Adeselna Davies, Alexandra Rolo e convidadas, sobre algumas sonantes obras do género. Não dá para perder-se entre tanta oferta :)

 

Curti os dois posters.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00


4 comentários

De rui alex a 29.07.2012 às 00:52

Obrigado pelos comentários.
Os louvores são da Adeselna, a identidade imprimida na revista foi ela que elaborou. Eu apenas ajudei numa mão-cheia de páginas :) Foi muito giro participar nesse aspecto e que ela me tenha dado a oportunidade, posso já dizer que fiz de designer numa revista :D

Muito obrigado pela tua amável opinião da BD, fico tão contente.
Aguardo pela tua apreciação dos restantes trabalhos :)

Comentar post



Feira do Livro de Braga

Braga, 3 de Julho a 19 Julho


A ler


Goodreads: Link

.


Goodreads: Link

Sugestão


Opinião: Link
Goodreads: Link

.


Opinião: Link
Goodreads: Link

Classificação

0 - Desisti.

1 - Mau!

2 - Desgostei/indiferente.

3 - Gostei/aconselho.

4 - Recomendo!

5 - Obra-prima.



Mais sobre mim

foto do autor


Leitor

rui alex



Pesquisa

Pesquisar no Blog