Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Fénix Fanzine nº 2

07.03.13

Fénix Fanzine nº2

Colaboradores: Ana C. Nunes, Ana C. Silva, André Carneiro, Carlos Alberto Espergueiro, Carlos Coelho Faria, Domingo Santos, Inês Montenegro, Joel Puga, Luís Corujo, Manuel Mendonça, Marcelina Gama Leandro, Ricardo Dias, Romeu de Melo, Rui Ramos, Sara Farinha, Vitor Frazão

Directora: Marcelina Gama Leandro

Grupo Fénix

Um fanzine excelente que muito me divertiu.

Nota 5/5.


A capa do fanzine é deslumbrante. Aquece o coração sempre que o pego para ver. Laboriosa, maravilhosa, o estilo de Art Noveau que sempre encanta, um excelente trabalho gráfico da Ana C. Silva.

O design interior, criado por Ana Ferreira, é simples e elegante, mantendo o estilo do número anterior.


Este fanzine tem seguido uma boa evolução. Para começar, há mais contos para ler, são muitos, e bons. Os contos lidos são deslumbrantes. Muitos são os que agarram o leitor, muito mistério e ambientes envolventes. Há muita diversidade, desde o terror e suspense até acção e aventura.


A escuridão, de André Carneiro - 5*

Logo na primeira página, logo no primeiro parágrafo, fiquei totalmente adicto. Com facilidade compôs a imagem e só me fazia interrogar "porquê" a cada novo fenómeno que o autor apresentava. Tão estranho e singular. Prossegui entusiasmado na leitura, expectante pela sua resolução. A escrita contribui muito para embrenhar nessa terrífica realidade. Houve momentos de terror e outros que retratavam uma consciência social; senti também que arrastou-se um bocadinho. Não pude deixar de recordar outras obras durante a leitura do conto, como o 30 dias de Noite e o Ensaio sobre a Cegueira.

O final está bastante satisfatório e foi um divertimento viver naquela escuridão.

Há também uma entrevista ao autor.


O Homem de areia, de Domingos Santos - 4*

A introdução é bastante boa, estabelece um ambiente inquietante com a menção de um "Homem de areia". Mas foi com um famoso médico que suscitou a minha curiosidade.

A partir daqui deu ares de não haver rumo. Personagens entravam e saíam de cena e não criavam ligação emocional. Até que o conto se centrou numa personagem misteriosa. Gostei do desenvolvimento e, principalmente, do espectacular desfecho.


Esferas e Tormentas, de Carlos Alberto Espergueiro - 3*

Gostei muito, é interessante mas foram os últimos parágrafos que fizeram valer a pena. Um conto com uma visão alternativa de acontecimentos passados, com foco nos bastidores do acontecimento, só que fez-me também colocar dúvidas sobre os intervenientes...


Um dia de Trabalho, de Ricardo Dias - 5*

Receio que entrei mal no conto. Mais um texto com anjos, a moda vigente. Vamos por partes, tal como o conto. A primeira parte, com o anjo, está simpática e fácil de ler; podendo talvez ser aborrecida, tinha ficado com a ideia que ia ser o conto todo assim. A segunda parte, com o diabo, está melhor, muito. Há momentos hilariantes e a imaginação do autor é prodigiosa, elaborou um plano deveras demoníaco, há tanta coisa preparada para o momento certo. Quem lê policiais não deverá ver nada de novo - mas ainda assim. Eu, por exemplo, acabei de ler o mediano livro Bons Augúrios, que é tal e qual, anjos, demónios, planos, e este texto divertiu-me mais. A terceira parte é fabulosa, para mim é um final brilhante.

Um conto com uma construção inteligente.


O estranho livro sem palavras, de Ana C. Silva - 4*

Gostei bastante, foi uma aventura. Um ritmo rápido, tive que ir a correr atrás da protagonista. Momentos houve em que pude respirar.

A história está divertida, fiquei encantado com a personagem, e é também misteriosa, fiquei mesmo curioso com o livro, objecto de cobiça.

O conto é acompanhado por uma bonita e atractiva ilustração executada pela autora e colorida pela Ana C. Nunes.



Despertar, de Rui Ramos - 4*

Uma BD a um nível que o autor já me deixou habituado. Um par de frases bem encaixado e é um mundo. Grandes desenhos mas cores estão escuras.


Apologia dos videojogos, de Luís Corujo - 3*

Um interessante artigo sobre os videojogos mas que falta-lhe uma certa profundidade. Cresci com os jogos de computador (assim aprendi o inglês, entre outras coisas) e partilho da opinião do autor mas que também não traz muito de novo. Penso que podia focar em menos aspectos e ser uma escrita menos apaixonada.



Segue-se a secção de mini-contos seleccionados, era proposto o tema "Livros". Penso ter sido uma escolha boa dos contos, sabendo ser um tema complicado (também participei, já agora, mas sem sorte). Pequenos contos, e por isso faço umas curtas opiniões.


A passagem secreta, de Sara Farinha - 5*

Um desenrolar interessante de acontecimentos até um final assombroso.


Fishmoth, o último inquilino, de Manuel Mendonça - 3*

De início não tinha entendido a história. Quando fiquei a conhecer a personagem e o que fazia já fiquei a saber o propósito do conto. Mas penso que devido à confusão inicial acabei por não sentir satisfação com este conto.


Mundos em Mundos, de Vitor Frazão - 2*

Sem narrativa e o final não traz nada de novo.


Livro do Tempo, de Carlos Coelho Faria - 2*

Prometia mas o autor não teve imaginação suficiente para o meu gosto. Pode soar um pouco a Deus Ex-Machina.


Pulsação, de Inês Montenegro - 3*

Escrita maravilhosa. Mas uma história sem chama. E não tem o Fantástico.


Uma demanda Literária, de Joel Puga - 4*

Gostei bastante, eu imaginava-me perfeitamente nesse mundo. A história é interessante e deu-lhe vida. Só faltou um bocadinho assim.


A Dança das Letras, de Ana C. Nunes. - 4*

Um conto muito bonito e terno. A narração podia ser melhor trabalhada.


O rosto vivo, de Marcelina Gama - 4 *

Muito, muito giro! Mais uma vez, o encanto de um tema caro à autora.


O livro termina com correspondência trocada entre Romeu de Melo, autor de ficção-científica, com o editor norte-americano Clifford D. Simak, onde vislumbramos o parecer elogioso do editor sobre a FC portuguesa; e finalizado com as biografias dos autores que colaboraram no fanzine.


Por fim, o livro é acompanhado de um suplemento, o "Pumba!". Trata-se de uma paródia a entidades e autores da ficção-científica e fantasia em Portugal. Alguns nomes fiquei a conhecer-los no passado evento EuroSteamCon no Porto, não tive assim impedimento de desfrutar do suplemento, principalmente porque é com a revista "Bang!" o alvo de maior atenção (daí o título, parodiado).

Muito engraçado, divertido. A minha favorita é sobre um clube de leitura xD

Os desenhos não comprometem o humor mas penso que podiam ser mais aprimorados. O desenhador Barion aparenta ter pouca experiência, o traço está um bocado básico. O desenhador João Pedro fez melhor, e há ali um misto de comics e manga, creio, mas parece demasiado apressado, e até desleixado nuns desenhos. Eu sugeria, até por ser um tom humoristico, um desenho simples e fluído.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

Lusitânia n.º 1

21.01.13

Lusitânia n.º1

Colaboradores: Raquel Leite, Marcelina Gama Leandro, José Pedro Lopes, Catarina Lima, Pedro Miguel Ribeiro Cipriano, Andreia Silva, Inês Valente, Nuno Almeida, Bruno R., Inês Montenegro, Tiago Figueiras

Editor: Carlos Eduardo Nobre Cesário e Silva

Equipa: Alexandra Rolo, André Pereira, Anton Stark, Carlos Silva, Luís Carreto

 

Um fanzine que orgulha a ficção especulativa portuguesa

Nota 4/5.

 

 Tal como o editor anuncia no seu editorial, é um projecto que procura estimular o vinculo português na Ficcção Especulativa. E isso é um ponto que gostei especialmente.

Os contos em geral são bons e gostei bastante de alguns em particular. Não só colocaram a acção em terras portuguesas mas alguns ainda buscaram inspiração na cultura e história portuguesa, o que é de valor.

 

A capa, realizada pela Raquel Leite, não me atrai muito. Está muito escura e um bocadinho pixelizada, não por causa da artista, claro. Acho que não representa o projecto a que se destina. Não encontro, pessoalmente, a referência à cultura portuguesa ou à ficção especulativa. Se a personagem feminina estivesse também sob o foco de luz talvez daria outra realidade ou história.

 

O design da revista está competente mas de início causou-me impressão as margens serem infímas. Devo apontar que a página dos Colaboradores não tem os nomes de Inês Montenegro e Tiago Figueiras.

 

Sonhos numa noite de Natal, de Marcelina Gama Leandro - 4*

Um conto terno e caloroso com um final assombroso. Se não fosse a última frase era provável que acabasse confuso, não esperava que as duas realidades retratadas no conto se diluissem. Ainda assim, gostei bastante.

A ilustração da Inês Valente que acompanha o conto está um primor, retrata-o perfeitamente!

 

Vinho Fino, de Inês Montenegro - 3*

Gosto de contos em que não é preciso dar nomes às personagens. Significa que o mais importante é a história ou mesmo o desfecho desta. A premissa deste conto não é original e, por isso mesmo, esperava algo mais, que a narrativa fosse mais fascinante. A escrita parece-me óptima, os horrores descritos, os momentos de suspense, está lá muito, mas gostava que a autora fosse ainda mais longe.

O excelente frontispício criado pelo Bruno R., composto por um vector de cacho de uvas, deu um toque especial.

 

Como Portugal foi salvo pelos Pastéis de Nata, de Catarina Lima - 2*

Gostei pouco do conto, penso que podia ficar melhor. As personagens são curiosas, a história em si está engraçada, o final está cómico! Mas é a nível da escrita que podia haver um maior cuidado, há partes longas, outras apressadas, aborrecidas. São pormenores que acho que o editor podia deixar sugestões de alternativas.

Gostei das imagens ilustrativas, a Andreia Silva teve o traço e o espiríto certos.


 

Perigo a Vapor

Um pequeno interlúdio para um texto escrito pela "personagem" que já invadiu o almanaque steampunk. Aqui a ideia já resultou melhor e é uma forma gira de publicitar o almanaque, estas colaborações entre revistas é de saudar.

 

A Guerra do Fogo, de Nuno Almeida - 4*

Um conto cheio de acção e intriga e fantasia quanto baste. Achei emocionante de ler mas houve momentos em que não gostei do estilo empregado para narrar a acção. Gosto pessoal.

A ilustração do herói, que penso não estar creditada, está muito fixe.

 

A Cidade das Luzes, de José Pedro Lopes - 5*

Adorei. É, para mim, um conto perfeito, ou quase. Misterioso desde a primeira página, agarrou-me completamente e gostei do final. Uma variante do Big Brother muito bem construída.

Só há o pormenor de parecer que o fenómeno está restringido a uma cidade, talvez por causa do raio de alcance, digamos?

*spoiler* Se não se consegue registar as luzes através das máquinas como conseguiram criar os coletes? *spoiler*

 

A Passagem Uivante, de Pedro Cipriano - 3*

Gostei bastante mas achei que foi curto. Achei também que é o que tem menos de Ficção Especulativa. Perde um pouco da sua força nesta antologia, na minha opinião.

A ilustração de Tiago Figueiras está incompleta, preferência do artista, decerto, mas há aí mesmo qualquer coisa.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:29


Feira do Livro de Braga

Braga, 3 de Julho a 19 Julho


A ler


Goodreads: Link

.


Goodreads: Link

Classificação

0 - Desisti.

1 - Mau!

2 - Desgostei/indiferente.

3 - Gostei/aconselho.

4 - Recomendo!

5 - Obra-prima.



Mais sobre mim

foto do autor


Leitor

rui alex



Pesquisa

Pesquisar no Blog